Carreira de programação no exterior – Hipsters #69

No Hipsters.Tech de hoje falamos sobre o sonho de muitas desenvolvedoras e desenvolvedores: trabalhar e morar no exterior!

Participantes:

Links:

Produção e conteúdo:

  • Alura Cursos online de Tecnologia
  • Caelum Ensino e Inovação

Edição e sonorização: Radiofobia Podcast e Multimídia

Leave a Reply

64 Comentários

  1. Fala Paulo, esse episódio pegou pesado comigo, hoje faz exatamente 1 ano que estou morando e trabalhando aqui no Japão e muitas coisas que foram faladas fizeram parte da minha realidade assim que mudei para cá. Desde os problemas com visto, assistência da empresa e tudo mais.

    Grande abraço

  2. Henrique Droog

    Esse episódio estava muito bom como sempre. Estou a 1 ano e 8 meses morando em Londres, minha vinda foi diferente, larguei meu cargo no serviço publico no Brasil e vim para ca, e ai procurei emprego quando cheguei. Muitas coisas relatadas aconteceram e ainda acontecem comigo, mas está valendo a pena para mim pela experiência que estou adquirindo.

  3. Show o episódio! Estou há alguns meses em Dublin na Irlanda e me identifiquei com diversas coisas. Minha vinda também foi bem diferente de todos do episódio. Nao é facil no início mas vale muito a pena!

    • Pedro Braga

      Frederico, se possível, dê mais dicas. Por onde você começou?

      • Se tiver Instagram, ando dando umas dicas por lá (@fredericomaia). Mas resumindo, sou dev Java, já fui instrutor da Caelum. Vim pra Dublin como intercambista (8 meses de curso), pois precisava evoluir no inglês, não sentia confiança em participar de um processo seletivo. Porém com 1 mês aqui eu comecei a participar de alguns processos e já consegui uma ótima oportunidade. Já estou trabalhando há praticamente 2 meses. 🙂
        Enfim, qualquer coisa tem meus contatos aqui. http://fredmaia.com/

  4. José Luiz

    Muito bom, estou com plano para o Canadá, Thadeu Russo posso enviar um Resume para você ? lol.. abcs

    • Thadeu Russo

      Opa, blz José? cara, se realmente quiser, da uma olhada no https://amazon.jobs – se aplicar em algo, me manda msg q eu tento fazer o referral.

      • José Luiz

        Oi Thadeu, tudo bem? ontem recebi sua mensagem e estava louco para ver o amazon jobs… Meu plano de migração é para 2018, ainda estou preparando melhor meu inglês, acho que não adianta aplicar agora.. (acho). Bom é isso, parabéns pelas gravações no hipster, sou aluno tb do alura, e tenha uma boa semana.

  5. Marcos

    Todo mundo tem uma história envolvendo ASP Clássico? Rsrs, ótimo cast!

      • Marcos

        Eu uso até hoje cara… A coisa fica tensa quando o servidor não tem os componentes D:

  6. Rodrigo Bartole

    Coisa linda esse Pod, padrão altíssimo, como sempre. Obrigado, Paulo.

  7. Guto Rocha

    Gostei muito desse podcast. Isso porque mudar de cidade/estado dentro do Brasil é quase como mudar para o exterior. Você encontra novas culturas, novos idiomas (sim, têm vários idiomas no Brasil), novas formas de viver. Tudo muda, tudo mesmo. Eu conseguiria escrever um livro com tudo que eu poderia contar. É uma experiência sem igual. É um desafio difícil, mas que vale muito a pena no final das contas. Basta estar de coração aberto para as novidades que o universo quer te mostrar.

  8. Mário Augusto Requejo Júnior

    Gostei muito deste podcast, foi esclarecedor! Poderia falar sobre freelas, tanto aqui como no exterior?

    • aqui na alemanha, frila é meio diferente. uma vez que voce nao tem um empregador que garante tua renda por aqui, voce passa por varios outros processos e tem dependencias completamente diferente do que a de um trabalho normal. e o assunto é extenso, já nos EUA, não faço idéia 🙂

      • Thadeu Russo

        Eu conheco gente aqui no Canada que fazia freela do Brasil para empresas daqui. O problema é que quando você esta remoto, vao te pagar pouco. Sobre fazer freela aqui, pelo que ouvi, me pareceu similar a PJ no Brasil

    • Paulo Silveira

      Freela é assunto que da um episodio inteiro! Ta na fila 🙂

      • Lucas Palma Stabile

        Um assunto que seria legal e não sei se está na fila, mas fica aqui minha sugestão: Trabalhar com sistemas legados ou algo sobre as más práticas de desenvolvimento, como o eXtreme Go Horse, ia ser um bom contraste com os programas sobre boas práticas e novas tecnologias.

  9. Bruno Campos

    Muito interessante esse episódio.
    Recentemente fui contratado por uma empresa em berlim e chego no começo de dezembro.
    Ainda estou no começo de todo esse processo que comentaram no episódio mas logo mais terei essas experiências (boas e ruins).

  10. Lucas Diego Amaral

    Daniel, me identifiquei muito com sua história, pois também não tenho diploma, estou procurando sair do país e Berlin é minha primeira opção. Vou começar o processo com uma empresa alemã. Tem mais alguma dica para me ajudar nesse processo?

    • a dica mais importante acho que vale pra qualquer processo seletivo: relaxe e faça tranquilo.

      mas umas boas são:

      – deixe bem claros informações de relocação: a empresa oferece bonus? ajuda de custo com relocação? qual o pacote? quando chegar, tem assistência em burocracia (anmeldung, ausländerbehörde etc.), ajuda com encontrar teu primeiro apartamento? ajuda com moradia nos teus primeiros meses? por aí vai…

      – quais os benefícios da empresa? no geral, aqui na alemanha os beneficios sao: salario e convenio medico (que é obrigatório pelo governo), então todo e qualquer benefício são diferenciais. (esquece esse lance de vale transporte, refeição, décimo terceiro e por aí vai)

      de cabeça, agora, acho que é isso 😀

  11. Lucas Palma Stabile

    Quando falam que qualquer diploma ajuda, até diploma de tecnólogo conta? Já vi uns cadastros fora do Brasil pela internet e na parte de selecionar a formação sempre me confundo, já que não sei qual seria o correspondente ao tecnólogo

      • Lucas Palma Stabile

        A legal, nunca tinha parado pra pesquisar mas bom saber qual é. Eles até comentaram de cursos de pouca duração, só que o meu foi de 3, mas também se encaixa.

    • pra alemanha é “qualquer diploma reconhecido pela anabin” é considerado valido na alemanha, depois disso feito, acho que tem que fazer a tradução (com um tradutor juramentado)

    • Aqui na Irlanda o tecnólogo é aceito numa boa. As vezes é confundido com o técnico, então é importante deixar claro que é um curso superior. No meu visto colocaram como Technological Degree (ISCED 6: Bachelor’s or equivalent level).

  12. Muito bom o episódio! Estou em Portugal à quase 2 anos e me identifiquei muito com vários aspectos discutidos sobre os primeiros momentos morando fora. Atualmente estou em processo com uma empresa de Berlim, por isso espero brevemente estar junto do Daniel e da Diéssica!

  13. Coutinho Nobre

    Excelente podcast principalmente para mim que quero ir para a Europa em especial a Alemanha!

  14. Helcio Macedo

    Uma P”mudo” coincidência kkkkkkkkk

  15. Rodrigo Bartole

    Uma curiosidade tardia, como fica a condição da idade? Alguém sabe dizer se rola algum preconceito com os mais velhos?

    • Eu vejo o contrário aqui na Irlanda. Quem gosta da área técnica fica atuando nela até a idade que quiser.

    • Thadeu Russo

      Oi Rodrigo. Idade nao é problema para emprego. O problema maior é em relação ao impacto que a mudança vai ter na sua familia e filho(s). Mudanca de escola, aprender um novo idioma, adaptação, amigos, comida, etc.

  16. Ednaldo Dilorenzo

    Gostei muito do podcast, apesar de morar no Brasil e ter apenas a vontade de sair sem apoio da família (mulher e filhos).

    Não sei se para não entrar em questões políticas, não senti muita firmeza dos participantes em relação a ter valido a pena por questões pessoais.

    • Thadeu Russo

      Oi Ednaldo. O beneficio pessoal vem no médio longo prazo. No começo tudo e novidade, depois as coisas vão se acertando e você começa a só lembrar das coisas boas do Brasil (musica, comida, calor humano, etc). Você começa a sentir a parte pessoal quando faz novas amizades, se sente em casa no país para onde mudou e consegue fazer uma comparação do quanto mudou de pensamento em relação a diversos assuntos. É muito pessoal, mas minha esposa diz que estou muito mais calmo aqui – isso já vale bastante.

    • pra mim ainda está valendo a pena, e duvido que um dia deixará de estar.

      acho que o grande ponto é que muita gente tem como uma “vitória” sair do Brasil, e não é bem assim. nada são apenas flores. a vitória é sua e só sua, se você conseguir o que pretende. não importa onde 🙂

  17. Waldana Helin Andruchechen

    Paulo, Adorei o podcast. Obrigada por compartilhar estas dicas!
    Vou compartilhar na newsletter do blog!
    Pessoal que quiser dicas sobre o Vale do Silício, estou aqui na terra dos engenheiros de software e programadores e compartilho tudo no blog: http://www.acontecenovale.com 😀

  18. Juliano Alves

    Depois de quase dois anos vivendo em Londres, tenho algumas dicas que podem ajudar os interessados em vir pra cá:

    – Você precisa ter um bom inglês, mas isso significa “bom o suficiente”. Se você não entende as gírias e seu sotaque é super carregado, isso não é um problema se você consegue se comunicar.
    – Ter um diploma universitário vai fazer a sua vida muito mais fácil, e eles não vão checar a “qualidade” de uma universidade brasileira. Então qualquer diploma de ensino superior é válido.
    – Se você não possuir um passaporte europeu (como eu), você vai precisar que a empresa te “patrocine” (sponsorship). Isso dificulta um pouco, mas o mercado aqui tá sempre aquecido, então não é impossível de encontrar empresas que façam isso.
    – LinkedIn e Github são fundamentais. Varia um pouco de acordo com o tipo de empresa procurando.

    Inclusive, a empresa em que trabalho está contratando, quem estiver interessado me contata por aqui (ou @vonjuliano no twitter). Paulo, espero que não tenha problema falar da vaga aqui! 😀

    • Paulo Silveira

      wow! valeu pela quantidade de detalhes Juliano! pode sempre falar de vaga e melhor ainda se postar no hipsters.jobs

      • Juliano Alves

        Fala Paulo! Vou conferir mas acho que não posso anunciar a vaga em nome da empresa. Mas se alguém mandar mensagem, tá valendo!

  19. Esron Silva

    Parabéns não fizeram piadas com sexo.

  20. Daniel Moura

    Curti muito esse episódio. Toda semana na terça quando to indo trabalhar já vou ouvindo o episódio novo. Esse episódio me pegou muito pqe eu to querendo sair do Brasil para trabalhar, no ano que vem término a faculdade mais já vou começar a buscar algumas propostas de fora. Vou buscar propostas no Canadá. Continuem com o execelente trabalho.

  21. Bruno Araujo

    Este foi um dos melhores episódios. Trouxeram um equilíbrio muito bom para o tema, apresentando coisas que não costumam falar para quem deseja morar fora. Parabéns pelo ótimo trabalho!

  22. Thiago Tácito

    Um dos melhores episódios…o bom foi ouvir dos participantes sobre o “pecado original”. Temos que largar isso, mesmo morando aqui no Brasil. Muitos de nós, por natureza, tem a síndrome do impostor, já no DNA. E, isso impede que a gente experimente algo novo ou desafiador, simplesmente por acharmos que não estamos prontos. Show demais!!! Quase uma terapia!

    • Tommye Vinicius

      Perfeito o que tu disse…. Geralmente no Brasil existe uma briga de JAVA vs PHP e acho isso ridiculo ao extremo… Sou profissional em Java, mas estou me aprofundando em PHP por um curso presencial, onde quero entender o porque dessa birra entre as duas linguagens.

      • Thiago Tácito

        Essa questão de briga de linguagem e tecnologias é a maior babaquice que já vi na minha vida profissional, e sempre existiu…desde os tempos de Internet Explorer e Netscape, Visual Basic e Delphi…etc. E talvez, antes já existia algum outro, tipo, Clipper e Cobol.

        Mas, quando se une, o que chamamos de interoperabilidade, há um ganho significativo. Veja o exemplo da Microsoft (que se tornou a maior empresa contribuidora do linux), e usa linux na nuvem, e muito mais coisas…enquanto era uma briga, não evoluiu, mas o que a Microsoft evoluiu no sentido de “colaboração”, e aumento de desenvolvedores usando sua tecnologia, nos últimos 2 anos foi algo realmente grande.

        No seu exemplo, vejo que JAVA pode fazer coisas muito mais rápido/fácil/clean do que PHP em determinadas áreas, enquanto PHP vai ter uma eficiência/eficácia maior em outras.

        Você está correto em aprender novas tecnologias, porque é isso que o mercado busca. Seja muito bom em uma e tenha conhecimento em muitas. É o que eu estou buscando na minha vida e que eles disseram no podcast.

      • é java contra todo mundo. é php contra todo mundo. js contra todo mundo.

        perde-se tanto tempo odiando que acaba-se esquecendo como se gosta das coisas que não são as nossas.

        isso serve pra tudo, não só linguagens ;D

  23. Willian Soares Damasceno Rocha

    Muito interessante.

  24. Jeferson

    Gostei do episodio, assim como todos são super legais. Sei que o foco foi na mudança de profissionais já bem estabelecidos no mercado, mas tem uma rota que eu acho ‘pouco’ explorada ainda, que são os estágios nas grandes empresas lá de fora. Acredito que esse caminho acaba sendo mais tranquilo do que esperar se consolidar no mercado para ir. É obvio que as entrevistas são super difíceis e um montar um curriculo que chame a atenção não é fácil, mas é bem mais fácil do que quando já esperam de você um profissional ‘pronto’.

  25. Pedro Braga

    Excelente episódio! Já ouvi diversos episódios sobre o tema em outros podcasts mas este, sem dúvida, foi o melhor deles.

  26. @peasilveira:disqus : Faz um episódio sobre Cobol. Já tenho até o título: “Cobol: a linguagem zumbi (morta-viva)”.

  27. joao

    Pessoal muito legal MESMO, mas fica uma sugestão:

    a voz dos convidados estava com um volume menor do que a do apresentador, o que entendo e é perfeitamente normal e não chega a incomodar, mas como estava escutando em um fone de ouvido quando entra a vinheta eu quase fico surdo tamanha é a diferença do volume do áudio.

    de qualquer forma parabens

  28. Luciano Queiroz

    Dois convidados já tinham ido ao programa 2 vezes?!
    Mas entendo que diversidade deve ser assunto para outro programa haha 🙂

  29. Douglas Marques

    Ótimo cast! Tô começando minha carreira como programador agora e pra falar a verdade sequer tinha pensado em ir pra fora do Brasil, mas ao ver o exemplo da Diéssica eu fiquei honestamente empolgado na possibilidade de no futuro ir viver fora. By the way, Eu também sou de Viamão/RS 😛

  30. Rubinho_sjr

    Muito bom o cast, acho q é uma realidade de muita gente querer ir pra fora do Brasil e é bacana ver alguns cases de sucesso… Eu sou de uma cidade pequena do interior de São Paulo e pra mim hj com a minha experiência parece impensável ir pra outro país. Mas estou me dedicando rnum dia eu realizo esse sonho …
    E toh indo morar em Campinas ano q vem vou falar com a Cristina pra ela alugar pra mim kkkkk

  31. Ricardo Silva

    Excelente episódio, Parabéns … e uma surpresa escutar o Thadeu, fizemos facul juntos …

  32. Marcio Carvalho

    Conteúdo muito bom. Seria possível colocar esse podcast no Spotify?

  33. Helder Costa

    Muito bom o podcast, mas achei ruim que todos os participantes são do sul do país mesmo que do interior, poderia ter chamado alguém de outras regiões, agregaria mais valor e deixaria outros ouvintes mais próximos.

Next ArticleEntendendo mônadas – Vida de Hipster #21